quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Saindo da rotina no Tempero Nordestino

Certa vez, em um sábado, almocei com minha família em um restaurante que conquistou meu coração. O lugar era muito simples, mas a comida era cinco estrelas. Trata-se do Tempero Nordestino, localizada no Córrego Grande. O slogan do restaurante, "A Róliúde do tempero nordestino", apesar de cômico, é coerente. Depois de algumas experiências em restaurantes do nordeste, posso afirmar que o que é servido no Tempero Nordestino é de comer rezando mesmo.

Quando fui com meus pais, éramos os únicos clientes e fomos recebidos como se estivéssemos em casa pelo proprietário José Ramires. Depois de almoçarmos, Ramires estava tão à vontade que sentou-se à nossa mesa e contou sua história, de sua família e do restaurante. Natural de Fortaleza, ele sonhava com algo grande, porém inovador. Sabia que no sul do Brasil, mais precisamente Florianópolis, pouca ou nenhuma era a opção gastronômica nordestina. Montou seu espaço no Córrego e por ali continuou.

Surgiu a possibilidade de mudarem de endereço e irem para o bairro Agronômica. Investiram fundo, pois acreditavam que por lá o movimento seria maior, por estar pertíssimo do Centro. Infortúnios à parte, o novo ambiente não deu certo e o destino de Ramires e sua família era continuar no Córrego Grande.

Nesse ano de 2012, quando voltei ao Tempero Nordestino, dessa vez com o namorado, uma surpresa boa: o restaurante estava todo reformado, mas mantendo a sua proposta de ser bar e restaurante para comer e jogar conversa fora, nada de requinte. Fiquei feliz em saber que os negócios estão indo bem para Ramires, que está investindo a cada dia um pouco mais no seu espaço.

Apesar de pequeno, o restaurante já recebeu indicações à Veja Comer & Beber, e, em 2009, recebeu a premiação de Melhor Restaurante Regional Brasileiro de Santa Catarina. Vocês só descobrirão os motivos do prêmio se forem até lá. Por enquanto, relato minha experiência para deixá-los com água na boca.






A fachada do restaurante é inconfundível: uma pequena casa colorida, com estátuas de Maria Bonita, Lampião e o famoso Padre Cícero. Por dentro, paredes forradas de chita, muitos quadros com fotos antigas, bandeirinhas e cordéis pendurados. (Quase esqueci de mencionar: meu pai comprou uma pilha de cordéis vendidos no Tempero Nordestino e escritos pelo próprio Ramires.)

Era noite e a casa estava movimentada. Eu e o Claudio sentamos na parte mais baixa, onde está localizado o buffet que é servido em dias de semana. A luz amarelada e os burburinhos deixavam o lugar ainda mais com cara de bares do nordeste.






Rapidamente fomos atendidos e recebemos o cardápio. Aqui deixo a crítica do meu namorado e compartilhada por mim: para quem não é habituado com nomes e pratos do nordeste, fica difícil escolher seu pedido, pois no cardápio consta o nome típico do nordeste. Muitos "o que será isso?", "você sabe o que é tal coisa?" são mencionados na hora do vamos ver.

Como o Claudio nunca havia provado dessas comidas, dei minhas sugestões. De início, compartilhamos um acarajé, típico da Bahia, que é um bolinho de massa de feijão-fradinho, cebola e sal, frita em azeite de dendê, servido com camarão seco, vinagrete e vatapá (R$9,00).
Para acompanhar a iguaria, um chopp (R$4,50) para cada um.





O acarajé foi aprovadíssimo. Comeria mais dois facilmente.

Chegou a vez de experimentarmos mais alguma coisa. Arrumadinho de carne seca: carne seca, feijão de corda, farofa bolão e vinagrete (R$20,00). Delícia! E para fazer bonito e revelar o verdadeiro tempero nordestino, gotinhas de pimenta. Não sei qual pimenta é essa, o que eu sei é que é forte a bichinha!






Para aliviar a língua, mais um chopp para o Harry e um suco de graviola (R$3,50) para mim. Quem acompanha o Saboreando Floripa, sabe que nunca curti suco. Agora, para o blog, estou provando um pouquinho aqui, um pouquinho acolá... admito que ainda prefiro água. Mas, por vocês eu faço esse esforcinho, rs.
Nunca havia tomado suco de graviola. Achei bom e, alguém pode querer me esganar, mas me lembrou o gostinho de abacaxi. Além da graviola, a casa oferece sucos de caju, cajá, pitanga, cupuaçu etc.






Ainda sobrava um espaço para uma sobremesa, mas como somos mesmo do salgado, folheamos mais pratos  e pedimos o Suspiro sertanejo: carne de sol na brasa, queijo coalho e macaxeira (R$24,90).






A macaxeira (querido aipim) deles é sensacional, porque é fritinha em manteiga de garrafa. Gorduras à parte, deu para imaginar o sabor? Hum...

Muito satisfeitos, realizamos a sesta e partimos rumo à porta de saída. Nos despedimos de Lampião e entramos no carro.

O Tempero Nordestino vale a experiência por conseguir sair da rotina e revelar sabores trazidos dos cabras da peste.





Ambiente: ♥♥
Atendimento: ♥♥♥♥♥
Sabor: ♥♥♥♥
Preço: $$

Tempero Nordestino: R. Joe Collaço, 38 - Córrego Grande. Florianópolis/SC.

18 comentários:

  1. Adorei o post! Tenho uma curiosidade em provar acarajé...
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Ai, me leva!! quero conhecer, amiga!!
    beijos, Isa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com maior prazer, amiga! Basta encontrares um lugarzinho nessa tua agenda compromissada... Ainda bem que sexta já temos um jantarzinho em vista, hein? Delícia.
      Beijo

      Excluir
  3. Acarajé é muito bommm....
    E esse suspiro nordestino me deu água na boca. Adorei Pri.

    beijo
    Patty (www.cafedasquatro.com )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pati, dá uma pulinho por lá. Não vais te arrepender.
      Beijão

      Excluir
  4. Esse também já provamos, e concordo com tudo que você disse. É realmente de "lamber os beiços", além do atendimento peculiar e simpático dos proprietários. No dia que fomos lá, tinha forró ao vivo e dava pra dançar. Maravilha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Mari. Eles têm forró em algumas noites. Se depender do Ramires, deve ficar bem animado, rs.

      Excluir
  5. Sou super curiosa para conhecer este restaurante....deu água na boca!

    Beijinhos,


    Aline

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aline, vale a pena. Comidinha diferente e bom atendimento.
      Bjs

      Excluir
  6. Quero saber se tem baião de dois ai, eu já comi na feira de São Cristovão no Rio e adorei!

    Beijo da Clau!

    ResponderExcluir
  7. Clau, tem sim! É uma delícia. Quero fazer mais uma visita ao Tempero.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Hoje eu mostrei este artigo ao seu Ramires (proprietário desta casa).ele ficou emocionado .
    Eu agora sou o novo gerente operacional da casa. estamos fazendo alguma reformas na casa.
    Na sexta do dia 31/8 faremos a reinauguraçào da casa , eu o Ramires ficaríamos muito agradecido se pudesse contar com sua presença.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos, esse é um dos meus restaurantes favoritos da cidade. Faço questão de indicá-lo!
      Tentarei comparecer, sim. Podem me dizer o horário?

      Priscila

      Excluir
    2. Priscila será a partir das 18:00h , ficaremos muito feliz.tenho certeza que o Ramires ficará radiante com sua presença.

      Excluir
  9. Infelizmente terei um compromisso nesse dia. Mas, voltarei a visitá-los em breve!

    ResponderExcluir